Exclusivo: Laranja de Lula seria sócio de dirigentes da ‘Campus Party’


O Antagonista revelou no ano passado que Jonas Suassuna abriu na Espanha uma filial da Gol Mobile, empresa usada no Brasil em parcerias comerciais suspeitas com as operadoras Oi e Vivo.

No registro da empresa, disponível na internet, aparecem vinculados à Gol Mobile Europa SL os empresários Francesco Farrugia e Tommaso Prennushi, dirigentes da Campus Party.

Farrugia é presidente do chamado Instituto Campus Party, enquanto Prennushi é diretor de empreendedorismo. Seriam sócios do laranja de Lula?

Como O Antagonista já publicou, Suassuna teria usado o seu grupo para escoar dinheiro para as contas bancárias de Lulinha e dos irmãos Bittar.

Um dos “produtos” usados para justificar os repasses foi a chamada “nuvem de livros”, aplicativo que disponibilizava a clientes da Oi e da Vivo acesso a uma biblioteca virtual. Muito usuários reclamam que eram debitados pelo serviço sem autorização.

O Antagonista mostrou ontem que a Editora Gol, de Suassuna, recebeu R$ 40 milhões da Movile, empresa de tecnologia que surgiu em Campinas, no Ciatec, encubadora de startups que teve sob controle das diversas administrações do PT.

Nos primeiros anos, a Movile recebeu investimentos do bilionário Jorge Paulo Lemann e da Rio Bravo, de Luciano Lewandowski, recrutado pelo próprio Lemann na GP Investimentos.

O PT é inovação.






Adbox